A acne é uma doença de pele. A sua frequência é maior na adolescência, quando o nível elevado de hormônios sexuais causa o aumento da secreção de sebo pelas glândulas sebáceas, provocando o aparecimento de espinhas, bolhas e pontos negros. Às vezes, os pontos bloqueados se infeccionam aparecendo bolhas cheias de pus, muito comumente se coça ou espreme essas bolhas, causando o agravamento da infecção e deixando cicatrizes, manchas e ferimento.

acne

Classificação

  1. Acne grau I: comedões abertos e fechados sem sinais inflamatórios;
  2. Acne grau II: comedões, pápulas vermelhas e inflamadas e pústulas (espinhas) com pus;
  3.  Acne grau III: aparecimento de cistos, ou seja, de lesões mais profundas, inflamadas e dolorosas;
  4. Acne grau IV: nódulos, abcessos e cistos purulentos, muito inflamados e intercomunicantes. Essa forma da doença pode conferir ao portador aspecto desfigurante;
  5. Acne grau V: forma rara que provoca queda do estado geral do paciente e exige internação hospitalar.

Causas e fatores de risco

Hereditariedade, predisposição genética, alterações na produção dos hormônios sexuais, infecção por bactérias e até o estresse emocional são considerados fatores de risco para a manifestação ou agravamento do quadro. Embora não haja estudos comprovando a correlação entre a dieta e o aparecimento das lesões, se o paciente notar que certos alimentos gordurosos (chocolate, frituras, nozes, amendoins, por exemplo) pioram as crises, deve excluí-los da dieta habitual. Pessoas com pele oleosa devem evitar também o uso de produtos de maquiagem, loções e hidratantes gordurosos.

Sintomas

As lesões da acne surgem mais na face, ombros, peito e costas e variam de intensidade de acordo com o tipo de pele e predisposição para a enfermidade. Dor, coceira e irritação nas áreas afetadas são sintomas da doença. Além desses, por causa da aparência que as lesões conferem aos portadores, podem surgir problemas emocionais, de sociabilidade e comprometimento da autoestima. Lesões mais graves e a manipulação inadequada das feridas pelos próprios pacientes podem ser responsáveis pelo aparecimento de cicatrizes difíceis de corrigir.

Tratamento

O tratamento tem como referência o tipo e a gravidade das lesões e deve ser mantido até seu desaparecimento completo. Nos casos mais leves, pode ser suficiente a aplicação local de medicamentos para desobstruir os folículos pilosos, controlar a oleosidade e impedir o desenvolvimento de bactérias. Os antibióticos por via oral ou tópica ou, ainda, sob a forma de injeções no interior das lesões representam uma opção terapêutica para os casos de acne inflamatória e purulenta.

Limpeza da pele para remover os comedões abertos e fechados só faz sentido se fizer parte do tratamento da acne prescrito por um dermatologista.

Recomendações

* Limpar a pele, especialmente à noite, antes de dormir;

* Não mexa nas espinhas, elas podem formar cicatrizes definitivas;

* Procurar ajuda psicológica pode representar um recurso importante para os portadores de acne com prejuízo da autoestima;

* Seguir as orientações de um dermatologista é a melhor, senão a única, maneira de tratar as doenças da pele.

 

Fisioterapeuta: Liliane Riedtmann