fibrose

O procedimento de pós-operatório, na cirurgia plástica, é tão importante de ser realizado quanto à cirurgia propriamente dita para se obter os resultados esperados e evitar seqüelas comprometedoras. Após as cirurgias plásticas, podem acontecer alguns eventos clínicos comuns como: edema, hematomas, fibrose, entre outros.

É muito importante realizar a drenagem linfática manual assim que seu médico liberar. Ela deve ser realizada com manobras lentas, suaves, rítmicas acompanhando a direção e anatomia do transporte linfático, e tem como objetivo ajudar na eliminação do edema, toxinas, prevenir aderências e fibroses, restaurar o fluxo sanguíneo e linfático normal, além de acelerar sua recuperação, restaurar a funcionalidade e, ainda, possui efeito analgésico. O quanto antes fizer a drenagem linfática, melhor será o resultado final e menor será a formação de fibroses pós-operatórias.

Também utilizamos os recursos fisioterapêuticos, como Ultrassom, que pode ser utilizado em fase imediata com o objetivo de reduzir a dor e estimular o processo de reparação tecidual. Quanto mais precoce o seu uso, mais adequado para estimular o processo cicatricial e reduzir os hematomas. O aparelho Manthus, que acelera a cicatrização, alcança a força tênsil normal, age na atividade de fibroblastos com prevenção da formação de fibroses. Em caso de fibrose tardia podemos ainda utilizar a Radiofrequência Spectra, muito eficaz na quebra da fibrose até mesmo tardia, reorganiza as fibras, estimula o colágeno, aumenta a oxigenação das células e a circulação sanguínea e linfática.

A fibrose apresenta-se como um tecido onde os contornos ficam irregulares com ondulações, protuberâncias e depressões, ao toque percebe-se uma sensação de enrijecimento e nódulos.  Após a cirurgia plástica seu organismo começa a tentar se recuperar da técnica que representou uma “agressão” para o corpo, provocando uma reação em cadeia no sistema de defesa do corpo, o organismo libera fibrina (uma proteína), células de defesa e plaquetas para vedar o local que foi invadido pela cirurgia. Onde começa o processo de cicatrização e recuperação do organismo, este processo pode gerar, em alguns casos, uma cicatrização desorganizada com conseqüentes fibroses e aderências, a causa desta desorganização pode ser devido a muita agressão no ato cirúrgico (retirada de muita gordura na cirurgia), a não realização de um pós-operatório eficiente, ou até uma pré-disposição própria do organismo do paciente.

A maneira mais adequada de prevenir a evolução de fibroses é a redução precoce do edema presente, justificando a indicação da Drenagem Linfática Manual neste período, devido as suas características antiedematosas.

Por isso é importante realizar um pós-operatório bem feito, com profissional capacitado e aparelhos eficientes e seguro. O não encaminhamento a tratamento pós-operatório ou o encaminhamento tardio podem privar o paciente de adquirir uma recuperação mais saudável, mais curta e com menos sofrimento físico e/ou psicológico, além de poderem comprometer o resultado final da cirurgia.

Karla Accordi – Fisioterapeuta